by Google Translate
Entendendo IN / ON / AT em definitivo – Parte I

Eu acho que eu apostaria R$ 2,00 que você, em algum momento da sua jornada como aprendiz de inglês, já se pegou completamente perdido em relação ao uso das preposições in, on e at. E digo mais, apostaria mais R$ 2,00 que você já pensou que nunca as entenderia.

Nos meus quase 20 anos de experiência como professor, acho que nunca tive um aluno que chegou até mim e disse estar plenamente confortável com o uso delas. Mas apesar de toda a confusão que essas 3 palavrinhas de 2 letras causam, existem regras bem simples que podem nos guiar no uso correto delas. Minha missão neste artigo de hoje é te ajudar a entender em definitivo quando usar as preposições in / on / at. Vem comigo!

PREPOSIÇÕES DE TEMPO E LUGAR

A primeira coisa que precisamos entender é que in / on / at podem ser usados tanto quanto preposições de tempo, quanto de lugar.

I’m at work right now. (Eu estou no trabalho agora.)

No exemplo acima, at é usado como uma preposição de lugar já que ele indica o lugar onde a pessoa está no momento.

I start working at 9am. (Eu começo a trabalhar às 9h da manhã.)

Já neste exemplo, o mesmo at é usado como preposição de tempo, já que indica o horário em que a pessoa começa a trabalhar.

Assim, para facilitar sua compreensão, neste primeiro artigo falaremos sobre in / on / at apenas como preposições de lugar.

IN / ON/ AT COMO PREPOSIÇÕES DE LUGAR

Uma coisa que queremos evitar fazer será traduzir as preposições. Apesar de, gramaticalmente, o uso delas ser muito parecido com o português, não é possível traduzi-las ao pé da letra, uma vez que as combinações possíveis são diferentes em cada uma das línguas.

Por isso, nosso foco aqui será entender como e quando utilizá-las em inglês.

IN

A preposição in é normalmente utilizada para se referir a:

  • espaços fechados
  • áreas e locais delimitados (cidades, países, bairros, regiões etc.)

Exemplos comentados de espaços fechados:

  • The cat is in the house. (O gato está na casa.)

Imagine a casa como um espaço tridimensional e fechado. Se o gato está dentro dela, então ele está in the house

  • She lives in an apartment. (Ela vive em um apartamento.)

Se ela vive em um apartamento, ela vive dentro dele, e não em cima ou ao lado. Se ela vive dentro deste espaço fechado, então ela vive in an apartment.

Exemplos comentados de áreas e locais delimitados:

  • He lives in Canada. (Ele vive no Canadá.)

O Canadá é um país, e por ser um país, possui uma área delimitada por suas fronteiras. Se ele vive no Canadá, ele vive dentro dessas fronteiras, por isso ele vive in Canada.

  • They are vacationing in Paris. (Eles estão passando férias em Paris.)

Assim como no exemplo acima, Paris também é um espaço geográfico delimitado (cidade). Se as férias estão sendo aproveitadas dentro da cidade de Paris, então eles estão in Paris.

ON

A preposição on, por sua vez, é utilizada para descrever superfícies ou locais em que algo está fisicamente apoiado ou posicionado, e também para linhas.

Exemplos comentados de superfícies:

  • The book is on the table. (O livro está na mesa.)

Essa é um clássico, mas você já se perguntou por que usamos on na frase? Simples: a mesa é uma superfície e o livro está em contato com ela, logo, ele está on the table.

  • There’s a stain on your shirt. (Tem uma mancha na sua camisa.)

O tecido da sua camisa é uma superfície, e a mancha está posicionado nela. Logo, a mancha está on your shirt.

  • The clock is on the wall. (O relógio está na parede.)

Veja que a parede não é uma superfície horizontal, mas ainda assim, é uma superfície. Se o relógio está fixado nela, então ele está on the wall.

Exemplos comentados de linhas:

  • I live on the southern coast of Brazil. (Eu moro no litoral sul do Brasil.)

Imagine que o litoral do país seja uma linha que o contorna. Se você vive nesta área, como se estivesse em cima desta linha, então você vive on the coast.

  • My office is located on Paulista Avenue. (Meu escritório fica localizado na Avenida Paulista.)

Para falarmos sobre ruas ou avenidas, consideramos que elas sejam uma espécie de linha. E, novamente, se seu escritório está nesta linha, então ele está on Paulista Avenue.

AT

Por fim, temos o at que é a mais subjetiva das 3. Usamos o at para nos referirmos a um ponto ou local específico, sem a ideia de estar dentro (in) ou sobre (on) algo, mas sim indicando um ponto específico ou algum tipo de proximidade.

Exemplos comentados de pontos específicos:

  • I’ll meet you at the bus stop. (Te encontrarei no ponto de ônibus.)

Neste caso, o ponto de ônibus é apenas um ponto específico de referência para o encontro, onde não é importante se a pessoa vai estar dentro dele (se possível) ou andando por cima dele (improvável). Sendo assim, o encontro deve ser feito at the bus stop.

  • My office is located at 1250Paulista Avenue. (Meu escritório fica localizado na Avenida Paulista, nº 1250.)

Diferentemente do exemplo anterior com on, aqui falamos de um endereço completo, ou seja, de um ponto específico. Quando nos referimos a um endereço com nome da rua e número, ele se torna um local específico e, consequentemente, podemos dizer que o escritório fica at 1250 Paulista Avenue.

NA MESA (on) X À MESA (at)

Será que você acerta essa? Um dos erros mais comuns que vejo meus alunos cometendo, nem sempre é um erro. Então, pense com cuidado e responda qual das 2 situações abaixo é a mais comum:

a) I usually sit at the table.

b) I usually sit on the table.

A resposta correta é a alternativa a, com a preposição at. Quando nos sentamos, geralmente nos sentamos em uma cadeira (on a chair) e próximos a uma mesa (at the table). Isso quer dizer que a alternativa b está errada? Não exatamente, ela é apenas mais improvável, já que a preposição on indicaria que nos sentamos na mesa, ou seja, em cima dela. Agora, quando nos sentamos em uma cadeira que está próxima à mesa, aí sim nos sentamos at the table.

Viu como a regra é relativamente simples? Se conseguirmos separar claramente as funções de cada preposição, será muito mais fácil utilizá-las da maneira corretao. No entanto, como a gramática não é matemática, existem diversas exceções à regra que precisamos aprender separadamente, com o uso regular do idioma. Por isso, vale sempre dizer que para dominar essas preposições e entender seus usos mais sutis, é também crucial praticar por meio da leitura, escuta e prática escrita. Exercícios que envolvem a aplicação dessas preposições em diferentes contextos podem auxiliar na assimilação de seu uso correto.

Ficou um pouco mais claro como aplicar o famoso in / on / at? Ficou com alguma dúvida? Me escreve no bruno@companhiadeidiomas.com.br que será um prazer te ajudar. E não deixe de conferir o próximo artigo onde continuaremos falando sobre esse assunto.