BLOG

25
NOV
16

Dica de estudo do inglês: portal de quizzes e games



 

Um dos muitos recursos para estudar um idioma estrangeiro e que sempre foi utilizado nas aulas são os jogos. Só que, com o avanço da tecnologia, esses jogos passaram a ser eletrônicos, seguindo a linha dos tão venerados games.
 
Com a tecnologia, têm surgido muitos aplicativos e portais nos quais o aluno tem autonomia para criar suas próprias atividades e estudar o que quiser, com dinamismo, interatividade, possibilidade de refazer quantas vezes quiser ou precisar até dominar o assunto e relatório de desempenho.

Minha dica para o estudo de vocabulário e gramática é o portal https://www.goconqr.com. Depois do cadastro gratuito, você elege os temas que deseja estudar. Por se tratar de uma ferramenta que permite o estudo de qualquer matéria ou idioma, é preciso preencher um questionário rápido. 

No menu de temas, não existe a opção inglês. Então, é preciso escrever “outros assuntos”, mas já existem vários exercícios do idioma lá. Esta ferramenta pode ser usada para você criar quizzes, mind maps e flashcards, além de usufruir do que já foi elaborado. O próprio portal vai sugerindo atividades de acordo com seu interesse. 

Este abaixo é um mind map bem interessante sobre apresentações em inglês. Você vê o mapa todo e depois seleciona o modo apresentação e vai vendo a sequência do conteúdo.

 
 
É possível marcar as atividades que mais gostar e voltar nelas depois. Abaixo um exemplo de como fica a disposição da sua timeline com seus pins.
 

O portal também oferece grupos de estudo de outros idiomas além do inglês e variados temas. Basta você solicitar sua entrada e começar a trocar ideias com outras pessoas que têm interesse em incrementar o nível de inglês. 
No caso dos quizzes e atividades com flashcards, depois de finalizado, você pode checar seu desempenho e quanto tempo levou pra concluir a atividade. O portal traz a porcentagem de acerto e você pode estudar as questões erradas.
 
 


Ferramentas não faltam para praticar o inglês e muitos outros idiomas, basta cuidar da disciplina e foco no que você precisa!


 
Escrito por Lígia Crispino. Publicado em 05/10 na Exame.com. Editado por Lígia Crispino para o blog da Companhia de Idiomas.

Lígia Velozo Crispino, fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas. Graduada em Letras e Tradução pela Unibero. Curso de Business English em Boston pela ELC. Coautora do Guia Corporativo Política de Treinamento para RHs e autora do livro de poemas Fora da Linha. Colunista dos portais RH.com e Vagas Profissões. Organizadora do Sarau Conversar na Livraria Cultura.Lígia Velozo Crispino, fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas. Graduada em Letras e Tradução pela Unibero. Curso de Business English em Boston pela ELC. Coautora do Guia Corporativo Política de Treinamento para RHs e autora do livro de poemas Fora da Linha. Colunista dos portais RH.com e Vagas Profissões. Organizadora do Sarau Conversar na Livraria Cultura.

E se você quer se aprofundar neste assunto, fale com a gente. A Companhia de Idiomas tem professores que vão até a sua casa ou empresa. 
Fale com: 
roselicampos@companhiadeidiomas.com.br

18
AGO
16

Nove dicas para você aproveitar um curso online de inglês



 

Curso online de inglês é como comida japonesa: você ama ou odeia.
N
o dia a dia da Companhia de Idiomas, onde trabalhamos com cursos presenciais, por Skype e online, ouço de tudo:
"Ihhh, já fiz e não deu certo."   "Nunca fiz, não conheço, mas prefiro..." 
 
Realmente, um curso online tem algumas características bem positivas para os tempos atuais: não costuma ser muito caro (se comparado a aulas em escolas ou professores particulares), é muito prático (pode ser acessado de várias plataformas, até do seu celular) e conveniente (você pode acessar em qualquer dia e hora).  Mas então me responda:

Se é tão moderno, bom e conveniente, por que tanta gente compra, começa e desiste depois de poucas semanas?

Se você ainda não comprou, leia estas dicas antes de tomar uma decisão, pois o curso online pode não ser para você. E se já comprou, quem sabe as dicas vão ajudar você a aproveitar melhor o investimento.

1. Como qualquer produto ou serviço disponível no mercado, pesquise bem antes de tomar uma decisão de compra. Liste as opções de marcas, consulte sites de reclamações, fale com seus amigos, e faça simulados gratuitos nos sites. Essa é uma escolha pessoal, você tem de gostar do layout do curso, do tipo de atividades, dos temas. Tem de ficar com vontade de começar! Se não gostar de nenhum pense se esta modalidade de curso é mesmo para você.

2.
É importante você entender o que está comprando, então alinhe suas expectativas ao que o fornecedor está vendendo. Parece óbvio, mas curso online não é um curso presencial, não é um curso particular, não é um curso de escolas franqueadas. Sempre que um aluno não reflete sobre as suas expectativas, pode comprar com algumas ilusões e se frustrar. Não se iluda, entenda a proposta, identifique quais habilidades do idioma você conseguirá praticar no curso online, e quais não vai conseguir. Veja se as habilidades não muito praticadas no curso online são justamente aquelas das quais você mais precisa hoje para sua carreira.

3. Assim como uma esteira ou bicicleta ergométrica, um curso online tem excelente custo-benefício. Só que a esteira, a bicicleta e o curso requerem MUITA disciplina do usuário, pois não há um instrutor a quem você se reporta, não há ninguém cobrando  ou motivando você. Se você precisa disso, cuidado, pois pode desistir logo e não aproveitar o investimento realizado. Se decidir comprar, antes pense bem sobre sua gestão de tempo e se organize, criando uma nova rotina diária.

4. Um curso online não pode ser acessado apenas quando você tiver tempo livre. Se você não tem muita disciplina, determine um horário diário e, se falhar em um dia, compense no dia seguinte. Leve o curso a sério, mas com leveza e de forma lúdica.

5. Alguns desses cursos são multiplataformas e podem ser acessados inclusive do celular.  Abuse desta funcionalidade, mesmo que seja rapidinho na hora do café da manhã, no almoço, esperando em uma fila, na sala de espera do médico – se gosta muito de redes sociais, troque metade do tempo que fica nelas pelo curso, e incorpore o hábito de se ocupar estudando nestes momentos de espera.

6.  Estabeleça metas possíveis para você mesmo: aprender cinco palavras novas por dia, praticar uma regra gramatical por dia, ouvir dois áudios etc.

7. Se o curso proporcionar aulas em grupo com professores e alunos estrangeiros, na plataforma, não fuja! Participe de pelo menos três aulas por semana, se quer desenvolver compreensão oral e fluência. E não compare este tipo de aula com professores particulares, escolas de idiomas e cursos presenciais. Não é a mesma coisa e você pode perder energia na comparação, ao invés de usá-la para o aprendizado. Infelizmente nem sempre será uma boa aula. Se já comprou o curso, aproveite a excelente oportunidade de ouvir e falar com estrangeiros. Um dia você pode precisar falar com seu chefe e colegas do outro lado do mundo, então vale a prática.

8. Um curso online de idiomas não é um curso completo, então busque alternativas para compensar o que falta para você. Você pode contratar uma escola  - como a Companhia de Idiomas :)  -  para uma aula a cada quinze dias, por exemplo, com objetivos específicos. Este é o melhor custo-benefício atualmente, dependendo das suas metas com o idioma.   Se as metas não forem muito desafiadoras,  pode também organizar um grupo de amigos para praticar conversação, sem professor e sem custo. Pode falar inglês com seu filho. Pode fazer mais atividades de gramática em outros sites. Lembre-se: quem quer, sempre cria um jeito.  Quem não quer, sempre encontra as justificativas para não fazer o que precisa ser feito.

9. Curso online, aula particular, curso em uma escola, aplicativos ou sites. Assim como atividade física, o mais importante não é a modalidade escolhida, mas a regularidade de prática. E para conquistar a regularidade, você tem de se divertir!

Escrito por Rosangela Souza. Publicado em 17/08 na coluna semanal da Exame.com. Editado por Rosangela Souza para o blog da Companhia de Idiomas.  

Rosangela Souza é fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas e da ProfCerto. Também é professora de técnicas de comunicação, gestão de pessoas e estratégia no curso de Pós-Graduação ADM da Fundação Getulio Vargas.

E se você quer se aprofundar neste assunto, fale com a gente. A Companhia de Idiomas tem professores que vão até a sua casa ou empresa. Fale com: 

18
MAI
16

5 dicas para fazer networking



 


Networking é o desenvolvimento e manutenção genuína e autêntica de uma rede de conexão.
 
Nesta rede, os profissionais trocam indicações e experiências. Estas conexões criam oportunidades de novos conhecimentos, negócios, empregos, clientes, parceiros etc.
 

Construir essa rede com qualidade não é tão fácil quanto parece, porque não é apenas trocar cartões, apresentar-se para pessoas em eventos, bajular colegas e chefe, participar de algum happy hour ou procurar essas pessoas quando você está between jobs (em transição de carreira) ou mais claramente unemployed (desempregado). A regra é quanto melhor você tratar um contato, melhor será tratado por ele. A simpatia e a regularidade estão totalmente relacionadas à longevidade das relações. 

Este relacionamento pode ser feito tanto pessoalmente, através de almoços, cafés, seminários, palestras, eventos, quanto virtualmente, através de Whatsapp, e-mail e redes sociais. Com o mundo plano e sem distâncias, a abordagem/ aproximação de pessoas, com o objetivo de estabelecer contato, também acaba acontecendo em inglês e é chamado de networking approachability.
 
Vamos ver algumas dicas que podem ser úteis:
 
1. Ao se apresentar, esteja preparado para falar um pouco sobre você e sua empresa, sem querer vender o seu peixe descaradamente. Uma sugestão, se você não tem segurança com seu inglês,  escreva o que achar relevante. Depois que o texto estiver pronto, leia-o em voz alta algumas vezes para se acostumar com o vocabulário e jargões da sua área de atuação. 

Resultado: você estará preparado para eventuais situações e fará com que os outros se interessem em trocar ideias com você.
 

2. Depois que você abordou alguém ou foi abordado, faça perguntas abertas, usando os pronomes interrogativos: who, what, where, how e as variações how many, how long... 

Resultado: Este tipo de pergunta faz o diálogo fluir, pois exige respostas diferentes do “sim” e “não”.  Também demonstra que você não está só a fim de falar de si próprio. Porém, tenha cuidado para não parecer um interrogatório.
 
 
3. Esteja antenado sobre o que está acontecendo no mundo. Leia em inglês para você ter repertório nas conversas. Uma pessoa com repertório no idioma, terá muito mais facilidade de manter uma conversa com uma pessoa que acabou de conhecer. Acompanhe os portais: www.cnn.com, www.bbc.com, www.ft.com, http://international.nytimes.com/, www.economist.com, www.time.com, www.theguardian.com, www.nytimes.com. Evite discussões constrangedoras como “How’s the weather?”, “How’s it going?” “What’s up?” ou “How are you?” 

Resultado: você terá mais facilidade de detectar o CPI - Common Point of Interest (ponto comum de interesse) - você estabelecerá sinergia rapidamente e passará uma ótima imagem!

4. Além da comunicação verbal em inglês, é fundamental atentar-se para a linguagem não verbal, porque o corpo fala! Neste caso, três cuidados básicos são:

- Sorrir naturalmente, vejo muita gente carrancuda em eventos e perdem a oportunidade de conhecer pessoas interessantes.
- Não ficar de braços cruzados, as pessoas não se aproximarão de você.
- Não usar o celular como escudo de proteção.

Resultado: as pessoas abordarão aqueles que demonstrarem estar a fim de conhecer pessoas.

5. Não suponha nada. Evite frases como:
You must be new here.
Do you remember me?

Resultado: você evita possíveis constrangimentos, dependendo do tipo de suposição que fizer.

 
Escrito por Lígia Crispino. Publicado em 04/05 na coluna semanal da Exame.com. Editado por Lígia Crispino para o blog da Companhia de Idiomas.

Lígia Velozo Crispino, fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas e do ProfCerto. Graduada em Letras e Tradução pela Unibero. Curso de Business English em Boston pela ELC. Coautora do Guia Corporativo Política de Treinamento para RHs e autora do livro de poemas Fora da Linha. Colunista dos portais RH.com, Vagas Profissões e Revista da Cultura. Organizadora do Sarau Conversar na Livraria Cultura.


 
E se você quer se aprofundar neste assunto, fale com a gente. A Companhia de Idiomas tem professores que vão até a sua casa ou empresa. Fale com:  
 
roselicampos@companhiadeidiomas.com.br